segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Manual de Revisão Pós Trilha



Quem pratica esportes em geral sabe que o equipamento em dia é condição essencial para um bom aproveitamento e até segurança.

Isso inclui seu equipamento de segurança, você mesmo (condição física e mental) e é claro, a moto.



A moto, quando utilizada de forma esportiva, é mais exigida. Isso tende a desgasta mais seus componentes, que uma condução normal no trânsito. Esse desgaste é mais acentuado no fora de estrada, pois as suspensões são mais forçadas. O motor trabalha em regimes mais elevados. Além disso, poeira e lama infiltram-se em partes móveis, acentuando os desgastes.

Por isso, é fundamental revisar a moto após cada trilha, pois além de garantir sua segurança, a moto não vai te deixar na mão e estragar o passeio.

Levar a moto a um mecânico toda semana acaba onerando ainda mais a prática do off-road, embora seja necessária a revisão da moto, pelos motivos já mencionados.

Mas muita coisa pode ser feita em casa mesmo, bastando o piloto ter ferramentas e uma noção de mecânica.


Guia de Manutenção: Manual de Revisão Pós Trilha
Com a moto ainda suja (barro ou lama) é possível verificar se há vazamentos. É que a lama, com o tempo evapora a água e fica somente o barro seco na moto. Mas se há óleo junto, ela não seca. Então procure por barro ainda úmido nos locais onde há juntas e retentores, como nas bengalas, junta do cabeçote, junta cilindro, coletor de admissão. Achando o vazamento, anote para lembrar depois onde é o local e fazer uma verificação quando for revisar a moto.

Proceda a lavação da moto da forma que lhe convém. Mas procure usa produtos neutros, específicos para lavar veículos. Produtos de limpeza pesada (limpa baú, solupan, etc), acabam atacando vernizes e zincados, fosqueando a moto toda. Se usar aparelhos de água pressurizada, evite apontar o jato de água próximo a partes móveis, como caixa de direção, eixo da balança (e seus links) e cubos de roda. Além do jato forte retirar a graxa desses locais, pode empurrar sujeira para dentro, que acaba reduzindo a vida útil de rolamentos e buchas.

Após a moto limpa e seca, é hora da revisão.

Eu costumo dividir a moto em três seções para fazer a revisão. Traço uma linha imaginária separando a suspensão e freio dianteiros e uma separando a suspensão e freio traseiros. Entre as linhas, fica a segunda seção, que engloba motor, chassis, filtro de ar, escapamento e a parte elétrica (ignição, partida e iluminação).

Primeira Seção

Pneu: Com a moto sobre o cavalete (a roda dianteira suspensa), comece verificando o estado do pneu. Procure por rachaduras na carcaça do pneu, ou objetos presos à ele, como pregos e pedras. Veja também o desgaste do pneu. A calibragem do pneu é muito importante, mas não adianta calibrar e deixar a moto parada o resto da semana, por que irá perder pressão. A calibragem deve ser feita no momento em que se vai para a trilha, com o pneu ainda frio. Mas como a moto vai ficar parada pelo menos uma semana, eu calibro o pneu com mais pressão que normalmente uso nas trilhas, para que o peso da moto não deforme o pneu.

Roda (Aro): Gire a roda e verifique se há amassados ou trincas. Também veja o alinhamento. Nos dois primeiros casos, a troca do aro é inevitável. Já quanto ao desalinhamento, é possível voltar a centralizar a roda, quando esse empeno não for muito grande. Leve a roda a um mecânico para diagnosticar.  
Raios: Procure por raios quebrados ou tortos. Verifique também se há raios frouxos. Para isso, bata com uma chave de fenda em cada raio. Se estiver apertado, o raio vai reverberar. Se estiver frouxo, o som será de uma batida “seca”. Os raios frouxos devem ser apertados. Mas cuidado! Não aperte muito um raio só, por que isso vai desalinhar a roda. O correto é ir apertando um raio de cada vez, aos poucos.
revisao-pos-trilha-02.jpg


Rolamentos: Force um pouco a roda contra as bengalas (lateralmente) para verificar se há folga nos rolamentos da roda. Se tiver folga, troque-os. Os rolamentos de roda normalmente vêm blindados dos dois lados. Eu retiro a blindagem do lado interno do relamento (lado do rolamento que fica para dentro do cubo) para fazer a troca da graxa a cada 3 usos da moto. Lave o rolamento com querosene para retirar a graxa e aplique graxa nova específica para rolamento. Não lave o rolamento com água e se usar ar comprimido para seca-lo, não o deixe girar em seco.


revisao-pos-trilha-04.jpg
Freio à Disco: Verifique o estado das pastilhas de freio, quanto a rachaduras no material ou desgaste. Consulte o manual de proprietário da moto para saber qual o limite de uso das pastilhas. Com uma lixa de ferro sobre uma área plana (um vidro, por exemplo) lixe as pastilhas até tirar toda a sujeira. Ele deverá ficar com uma coloração marron clara. Lixe também o disco, transversalmente, da borda para o centro. Verifique a integridade do flexível de freio. Verifique o nível do fluído de freio no reservatório. Caso necessário completar o nível, use o mesmo fluído que já existe. Evite misturar fluídos hidráulicos de fabricantes diferentes.
Freio à Tambor: Se sua moto tiver freio a tambor, lixe as lonas de freio (sapatas) e o cubo da roda. Passe um ar comprimido para retirar o pó a acumulado das lonas de freio. Evite respirar esse pó. Muitas lonas são feitas à base de amianto, produto altamente cancerígeno. Verifique o desgaste das lonas e substitua se estiver abaixo do limite indicado pelo fabricante da moto. Um par de sapatas de freio custa pouco. Se insistir em usar lonas desgastadas, poderá danificar o cubo, o que custará bem mais para consertar.
Verifique o cabo do freio, principalmente nas extremidades, se há fios de aço quebrando. Caso positivo, troque o cabo. Verifique a integridade da capa (de plástico) do cabo. Se estiver rasgado, entrará sujeira e o cabo ficará pesado. Se isso ocorrer e o cabo (de aço, interno) ainda estiver bom, passe uma fita isolante na capa para cobrir á área exposta. Se o cabo estiver pesado, na maioria das vezes é possível recupera-lo (veja no item “cabo de embreagem”). Regule o cabo a seu gosto de pilotagem.

Caixa de Direção: Gire lentamente o guidão para os dois lados. Preste atenção se há resistência quando a direção está em linha reta. Isso é sinal de desgaste na coroa do rolamento. Caso positivo, troque os rolamentos. Quanto a graxa, costumo substituir a cada 6 trilhas, pelo menos. Com as duas mãos nas bengalas, force-as para frente e para trás para verificar se há folga na caixa de direção. Se houver, faça o reaperto. Para isso, solte o parafuso central e os parafusos da mesa superior, pois apertando a porca do rolamento, a mesa irá descer.

Bengalas: Verifique se há vazamentos nos retentores. Verifique se as bengalas estão alinhadas. Verifique o estado do cromado dos tubos internos. Troque o óloeo entre 25 a 60 horas de uso, dependendo do uso da moto (cross, trilha, enduro) e da qualidade do óleo usado.

Segunda Seção
A segunda seção engloba muitos componentes e são os que mais exigem experiência em mecânica.

Filtro de Ar: Limpe-o, a cada trilha. Verifique sua estrutura. Se verificar que há furos, rasgos ou deterioração, troque-o  Não esqueça de limpar também a caixa do filtro.

Vela de Ignição: Retire a vela e limpe-a. Regule o eletrodo lateral conforme indica o manual do proprietário da moto. Normalmente é entre 0,7 e 08mm. Nos motores dois tempos, há acúmulo de carvão ao redor do eletrodo. Com uma ferramenta pontiaguda, raspe o carvão, tendo cuidado para não quebrar o isolante.

Escape: Verifique se não há vazamento de gases na janela de escape, e na junção com a ponteira. Se a ponteira estiver muito barulhenta, troque a lã de vidro. A maioria das ponteiras tem as tampas rebitadas ou parafusadas, o que facilita a abertura para a troca da lã. Veja também se o escape não está muito amassado ou com trincas.

Carburador: A limpeza  do carburador é necessária após cada trilha. O serviço requer experiência mecânica mais avançada, principalmente nos carburadores de motos 4 tempos, por causa da regulagem mais elaborada da mistura ar/combustível.

Cabo do Acelerador: Verifique o cabo de aço, principalmente nas extremidades, se há fios de aço quebrados. Caso positivo, troque o cabo. Verifique a integridade da capa (de plástico) do cabo. Se estiver rasgado, entrará sujeira e o cabo ficará pesado. Se isso ocorrer e o cabo (de aço, interno) ainda estiver bom, passe uma fita isolante na capa para cobrir á área exposta. Se o cabo estiver pesado: veja o procedimento no item “cabo de embreagem”. Regule o cabo, deixando uma folga de 2 a 3mm. Com a moto ligada em marcha lenta, vire o guidão para os dois lados. Se a aceleração aumentar, a folga deverá ser maior ou o cabo poderá estar passando pelo local errado.

Torneira de Combustível: Verifique a “dureza” no acionamento da torneira. Limpe o filtro interno e se necessário, desmonte toda a torneira para uma limpeza. Verifique a vazão  da torneira .

Coletor de Admissão: Verifique a integridade do coletor. Se estiver ressecado ou trincado, troque-o.

Palhetas de Admissão (motores 2 tempos): O bom estado das palhetas é primordial para o bom desempenho da moto. Retire a válvula das palhetas e verifique se elas estão fechando bem, se não há trincas ou esteja faltando partes.

Sistema de Arrefecimento (motos refrigeradas à água): Verifique a fixação do(s) radiador(res), o estado da colméia e da tampa. Verifique o estado das mangueiras e se estão bem fixadas. Verifique se o vaso de expansão não tem rachaduras. Verifique o nível da mistura água/aditivo. Se necessário complete usando aditivo na proporção indicada pelo fabricante da moto.

Óleo do Motor: Por ser mais exigido óleo deve ser trocado com mais regularidade (a cada duas trilhas nas motos 4 tempos e a cada 6 trilhas nas motos 2 tempos). Verifique o nível e a coloração. Complete se necessário, com o mesmo tipo de óleo. Se estiver com a cor marron clara ou bege, é sinal que pode estar entrando água pelo respiro do cárter, ou pelo sistema de arrefecimento (nas motos refrigeradas a água). Mas muitas vezes isto acontece pelo choque térmico do motor estar quente e passar por um riacho com água muito fria, por exemplo. O choque faz com que o ar aquecido que está dentro da caixa de câmbio se condense, formando água.

Válvula de Escape (motores 2 tempos): Verifique o funcionamento e o estado da válvula de escape. Se for eletrônica, verifique o estado e a regulagem dos cabos de acionamento e a integridade do servo-motor.

Cabo de Embreagem: Verifique o cabo de aço, principalmente nas extremidades, se há fios de aço quebrado. Caso positivo, troque o cabo. Verifique a integridade da capa (de plástico) do cabo. Se estiver rasgado, entrará sujeira e o cabo ficará pesado. Se isso ocorrer e o cabo (de aço, interno) ainda estiver bom, passe uma fita isolante na capa para cobrir á área exposta. Se o cabo estiver pesado: Com ajuda de uma seringa, insira óleo bem fino (baixa viscosidade, como óleo 2 tempos, por exemplo) no cabo até que saia óleo limpo na outra extremidade do cabo. Além do cabo ficar bem mais leve, a vida útil é prolongada. Regule o cabo a seu gosto de pilotagem.

Elétrica: Verifique o estado dos chicotes elétricos e dos terminais. Isole todos os terminais com fita isolante para evitar que a sujeira interfira na condução da energia. Verifique se os componentes (CDI, Regulador/Retificador de voltagem) estão bem fixos na moto. Se a moto tiver bateria, verifique o nível de água (se for necessário completar, use água destilada, vendida em farmácias). Se possível, teste a voltagem e a amperagem da bateria. Veja se os terminais da bateria não estão oxidados. Verifique se as lâmpadas estão funcionando.

Chassis: Inspecione o chassis procurando por trincas e quebras.

Após a moto toda revisada, ligue o motor e preste atenção a ruídos estranhos. Se constatar algo irregular, procure um mecânico de confiança.

Descarbonização (motores 2 tempos): Não vamos adentrar neste assunto, pois exige mais conhecimento mecânico.

Regulagem de Válvulas (motores 4 tempos): Não vamos adentrar neste assunto, pois exige mais conhecimento mecânico. 
 
Terceira Seção
Roda, Pneu e Rolamentos: Faça as mesmas inspeções e procedimentos conforme descrito para a roda dianteira

revisao-pos-trilha-09.jpg
Balança: Inspecione a balança procurando por trincas e quebras. Force a balança para os lados para verificar se há folga nas buchas. Se houver, troque-as. Retire a balança limpe-a e coloque graxa nova a cada 4 trilhas.



revisao-pos-trilha-10.jpg
Links: Com a roda traseira suspensa, tente levantar a roda com as mãos (forçando para cima) e verifique se há folga nos rolamentos/buchas dos links. Se houver, troque-os. Retire os links limpe-os e coloque graxa nova a cada 4 trilhas.

Amortecedor: Veja se há vazamento de óleo. Verifique a fixação do amortecedor e o estado das buchas onde passam os parafusos de fixação.

Freio: Faça as mesmas inspeções e procedimentos conforme descrito para o freio dianteiro (à disco ou à tambor).

Kit Corrente: Limpe bem a corrente usando querosene e um pincel. Se for retirar a corrente da moto, marque a posição dela, pois ela desgasta em conjunto com o pinhão e a coroa. Se colocar em outra ordem, o desgaste será mais rápido. Verifique o desgaste do kit. Regule e lubrifique a corrente.

Reaperto Geral: Verifique o aperto de todos os parafusos visíveis da moto.
 
 

1 Comentários:

cacau disse...

Quer assistir canais de TV por assinatura www.tvdigitalnopc.com.br

Postar um comentário

*Não será permitido comentários com palavrões, discriminatórios.

Ocorreu um erro neste gadget